El jefe de seguridad (en portugués)





CHIEF SECURITY OFFICER – CSO



CHIEF SECURITY OFFICER – CSO

Desde o fatídico 11 de Setembro o mundo deu outra cambalhota e está ainda atordoado com as ações terroristas e o aumento da violência de um modo geral. A pergunta no ar é:

– As organizações estão preparadas para novos ataques?

A resposta é : Não. As corporações estão revendo seus conceitos corporativos de segurança e essas revisões estão levando à procura de um novo tipo de executivo de segurança corporativa : larga vivência profissional, mente analítica voltada para negócios, liderança. O cargo, em outras palavras, exige o que os norte-americanos estão chamando de Chief Security Officer – CSO.

As grandes organizações vêm detalhando as características, escôpo e responsabilidades do trabalho . O executivo ideal é o profissional não só familiarizado com segurança física de pessoas e propriedades, mas também fluente na segurança digital de computadores e informações – grosso modo, alguém com partes iguais de policial, administrador de negócios e «nerd » computacional.

Caçadores de talentos ou « executive headhunters » estão selecionando profissionais que caibam na descrição e, a demanda existente eleva os salários anuais à casa dos seis dígitos ! Em setembro será lançado nos E.U.A uma revista chamada CSO.

Com um olho no terrorismo e o outro na criminalidade o campo da segurança ainda é um território desconhecido para grande parte dos empresários e, diferentemente do que possa parecer, segurança é um processo de negócios, uma questão de prioridades e estratégias, estabelecer metodologias e mensurar efetividade ,conforme Timothy Williams, VP de Segurança de uma das maiores empresas fabricantes de equipamentos de telecomunicações do mundo

O título de CSO sugere que os aspectos de segurança tornam-se mais importantes e parte integral da vida corporativa. Algum tempo atrás outra sigla de três letras – C.I.O. Chief Information Officer – foi recebida pelo mercado com ceticismo e até com desdém. Hoje, mais do que um nome, é o reconhecimento de que a tecnologia da informação é muito além do que apenas conhecimento especializado, mas algo que pode influir decisivamente na fluidez , estratégias e competitividade dos negócios. O C.I.O está estabelecido e respeitado como cargo executivo de primeira linha na maioria das grandes corporações.

É muito cedo ainda para dizer se o C.S.O chegará a ter igual importância . Mesmo antes de 11 de Setembro, a área de segurança tem evoluído para acompanhar as novas tecnologias. Globalizaçaão, desregulamentação, terceirização, metodologia «just-in-time» , informações tecnológicas e Internet trouxeram abertura e eficiência, e a bordo, novas vulnerabilidades.

O profissional de segurança não é mais o homem do distintivo estrelado do início de minha jornada mas sim o profissional de negócios, ocupando altas posições na hierarquia das corporações. Há muito que fazer ainda ! Vamos em frente !


Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.